04 de Setembro de 2018

A NOVA ODONTOLOGIA E OS SOFTWARES DIGITAIS: ALINHADORES SMART ALIGNER

        

        Os softwares digitais facilitam a vida do cirurgião-dentista, por isso é preciso desmistificar essa área, que veio para aperfeiçoar o nosso trabalho. Cada vez mais o virtual está presente nas diversas áreas profissionais, e, na odontologia, pode ser um aliado importante. Os alinhadores transparentes são cada vez mais usados nas clínicas. O professor Guilherme Capelozza, mestre em Ortodontia, trabalha com os alinhadores da Smart Aligner e ministrou o credenciamento no primeiro módulo da imersão OrtoEleva deste ano. 

        Para o mestre, a grande vantagem do alinhador em relação à mecânica fixa é o conforto do paciente, mas é preciso sempre balizar o uso e a terapia desse produto com parcimônia. Ele é para casos mais simples, para que consigamos agregar as terapias com os alinhadores, pois existe uma limitação da movimentação e precisa ser colocado de forma competente.

        O alinhador atinge o nicho de pacientes que já usaram mecânicas fixas na adolescência e perderam com o tempo o resultado. É ideal para pacientes que tem a relação sagital boa, mas com apinhamentos que influenciam esteticamente na região anterior. Ainda, Dr. Guilherme ressalta que em tratamentos de 6 a 9 meses de tratamento, em pacientes para fazer a correção, na grande maioria dos casos se você perguntar, 90% não usariam novamente os aparelhos mecânicos, e sim os alinhadores.  

        O alinhador trata a correção de maneira competente, porém para casos longos e complexos, de 14 ou 20 meses, não é indicado, por ser uma mecânica móvel, o paciente cansa de usar quando é a longo prazo.

        “Os alinhadores têm efeito rápido, do ponto de vista de tratamento de incisivos, com os da Smart Aligner, nós fazemos a movimentação dele por um software virtual, e assim você consegue manter os dentes que você não quer mexer na posição, isso faz com que o tratamento seja rápido”, afirma. Se tem um giro lateral, isso é feito sem efeitos colaterais em outros dentes. A extrusão, correção de angulação, já limitam o uso do alinhador.

        “Hoje tem uma geração de uns 20 anos pra cá que usou aparelho há muito tempo, então o problema não é mais a cárie e sim as más oclusões, apinhamentos, isso é frequente nos consultórios e são um nicho direto de tratamento”, conta o Dr. Guilherme. O alinhador não se sobrepõe às outras técnicas, ele soma como mais uma terapia para oferecer.