06 de Setembro de 2017

Entrevista: A busca pela qualidade de vida na saúde da pele


       A Uningá Eleva está com as inscrições abertas para seu mais novo curso de especialização em Enfermagem Dermatológica. O curso, inédito em Santa Maria, terá início nos dias 13 e 14 de outubro com uma aula inaugural. A enfermeira Ana Cristina Almeida Silva, especialista em Estética Avançada Facial e Corporal, membro da Sociedade Brasileira de Enfermagem em Feridas e Estética fala um pouco sobre o assunto e a importância de se especializar. Confira.

No seu ponto de vista, qual a mudança positiva e transformação que a Enfermagem Dermatológica causou na área da saúde?

Dados epidemiológicos demonstram que os agravos dermatológicos representam um dos grandes problemas de saúde pública no Brasil, sendo ainda uma das principais razões para a procura de consultas ambulatoriais, em clínicas privadas e em serviços públicos. Por apresentar uma elevada demanda por atenção, em todos os seus níveis, implica na necessidade de formação de recursos humanos especializados na enfermagem, para atuar em sincronismo com as políticas públicas, dentro de um foco multiprofissional , interdisciplinar, e que contemple a integralidade das ações, no processo saúde doença e na área da dermatologia.

Como é o mercado de trabalho atual para os especialistas?

Com as significativas mudanças no perfil da população brasileira constata-se uma profunda reorganização do sistema de saúde, com crescente busca por melhor qualidade de vida, exigindo-se para isto a criação de centros especializados para o atendimento da saúde da pele de crianças, adultos e idosos.

Também, como será a disciplina de Assistência à pacientes queimados?

O enfermeiro tem que agir com competência, para isso são necessários conhecimentos fundamentais como, anatomia e fisiologia da pele, fisiopatologias das queimaduras, técnicas básicas de atendimento de urgência e emergência e as técnicas específicas para cada tipo de queimadura, conforme suas especificidades.

Qual a importância do enfermeiro dominar o conhecimento nesse momento de atender ao paciente queimado?

O enfermeiro tem que ter a capacidade de classificar o agente causador, analisar a profundidade, avaliar o grau da extensão e complexidade, realizar o cálculo da superfície queimada e prestar primeiro atendimento à vítima queimada e sua família. Diminuir sequelas consequentes da lesão, como as infecções, que é uma das mais frequentes complicações no paciente queimado, para assim realizar um plano de cuidado focado e prescrever medidas de intervenção assistencial. Portanto, além da qualidade no atendimento, do conhecimento teórico e prático, o enfermeiro necessita de um perfil que consista em autocontrole, equilíbrio emocional. Também, saber trabalhar em equipe, ser proativo, ágil na tomada de decisões, com embasamento em protocolos de atendimento, para uma melhor precisão assistencial focada no paciente. Apoio físico, psicológico e emocional devem ser dados aos pacientes, pois é neste profissional que é depositado o papel de dar condições para um bom prognóstico e melhor qualidade de vida, respeitando seus limites e proporcionando o melhor conforto sem dor e riscos.

      Acesse a página do curso para se inscrever e conferir valores e formas de pagamento.